Um bezerro, uma história, um desafio


Por Bernardo Franco (impresso), Hiago Gomes (TV), Karol Castro (webrádio) e Victória Farias (web)

As cercas usadas em fazendas, geralmente, servem para evitar que animais fujam, se acidentem no trânsito ou, até mesmo, sejam roubados. No entanto, no caso do bezerro hoje hospedado no Hospital Veterinário do Centro Universitário de Belo Horizonte – UniBH, a cerca deu início a uma história bem diferente.

O jovem bezerro veio parar no UniBH após enroscar-se em uma cerca e sofrer a amputação de uma das patas traseiras. Como o dono não tinha condições de cuidar do animal ferido e também não aceitava o simples abate,optou por buscar ajuda especializada. 

A saída encontrada, após pesquisar as alternativas, foi entregá-lo aos cuidados dos estudantes de medicina veterinária do UniBH.

Em março, aconteceu a primeira consulta, registrada pelo repórter Hiago Gomes, da UniBH TV

O bezerro chegou muito doente, já que a pata necrosada, impedia a locomoção e alimentação adequada. 

“o bezerro chegou bastante debilitado, magro, com a pelagem opaca, com muitos carrapatos, uma parasitose, um quadro compatível ao um subdesenvolvimento.” (Prof. de medicina veterinária, Gustavo Moreira)

Após a queda da parte necrosada, todos os esforços se voltaram à  recuperação da saúde do animal, redobrando-se os cuidados com a alimentação e remoção de carrapatos.

Logo, o bezerro, então com 150kg, passou a pesar 210kg e não parou mais. 

Desafio tecnológico e transdisciplinar

Resolvidos os primeiros problemas e garantida a sobrevivência, o próximo passo seria garantir a qualidade de vida do bezerro, visando seu retorno à fazenda de origem. Para isso, foram mobilizados recursos e profissionais do curso de Engenharia Mecânica e do Anima Lab, espaço maker do UniBH.

Em abril, a repórter Karol Castro, da webrádio Comunicativa, registrou esta etapa do desafio, em conversa o prof. Joaquim José da Cunha, coordenador do Anima Lab.

 

A solução encontrada foi construir uma prótese (leia a reportagem de Bernardo Franco do Jornal Impressão) para que o bezerro possa voltar a caminhar normalmente.

Com este objetivo, alunos dos cursos de design, jornalismo, fisioterapia, medicina veterinária e engenharia mecânica uniram-se em busca de respostas técnicas e também de um nome para o novo mascote do UniBH.

A escolha do nome

Agora que o animal ficará no UniBH  até a sua total recuperação, estamos todos empenhados em fazer com que se sentir em casa. Para isso, precisamos arranjar um nome e contamos com a sua ajuda! Vote na nossa enquete e nos ajude com mais este desafio!

SAIBA MAIS

Raça Holandesa

O bezerro hospedado no Hospital Veterinário é da raça Holandesa, conhecida como uma das mais importantes na produção de leite. Os bezerros desta raça nascem com 38kg, em média, podendo pesar mais de uma tonelada quando chegam à idade adulta.

Pecuária no Brasil

 

Pecuária no Brasil

 

 

1 comentário

  1. Mariana Ribeiro Maia
    27/05/2017
    Responder

    Prezados,

    Sou aluna do 6p do curso de veterinaria e gostaria de sugerir a vocês o nome de Capitão Gancho o qual ele já é chamado por muitos de nos.
    Att.

    Mariana Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *