Conduzindo a Dança


Em projeto interdisciplinar, alunos da fisioterapia reformam órtese de bailarino.

por Henrique Alves, Luciana Cardoso e Suélen Miranda

No ballet, assim como em vários esportes de alto rendimento, muitos praticantes, ao longo do tempo, sofrem com problemas físicos causados por acidentes e pelo excessivo esforço demandado. Sérios problemas de coluna, muitas cirurgias no pé e também no joelho são quase comuns nesse meio que, aos olhos populares, apresentam tanta graça e beleza.

Voltados para esse segmento,  alunos do 3º e 4º períodos do curso de fisioterapia acompanharam um bailarino que, após um acidente e uma complicação, precisou usar uma órtese para controlar os movimentos do joelho.

O acidente aconteceu  em turnê. Como o show não poderia parar, o bailarino não procurou o auxílio médico necessário, o que causou uma complicação maior em seu caso, precisando de uma cirurgia para retirada de parte  do menisco e todo o ligamento cruzado do joelho.

Os meniscos estão localizadas no centro do joelho e agem como amortecedores de impacto, lubrificantes, estabilizadores e também como distribuidores das cargas que passam dentro da articulação. Eles melhoram o encaixe entre o fêmur e a tíbia e são essenciais para manter o funcionamento normal da articulação do joelho. Já o ligamento cruzado, é encontrado no interior da articulação do joelho e serve para controlar o movimento  para frente e para trás.

lca

Google imagens

Com a retirada do ligamento, o bailarino passou a necessitar de uma órtese que controlasse o movimento do joelho, realizando a função do ligamento cruzado. Essa órtese possui um alto preço de mercado e costuma ser trocada de 6 em 6 meses, pois como atualmente ele dá aulas de dança, o material sofre muito desgaste.

WhatsApp Image 2017-11-29 at 20.55.56 (1) WhatsApp Image 2017-11-29 at 20.55.56 WhatsApp Image 2017-11-29 at 20.55.56 (2)

Fotos: Ana Flávia Couret

O grupo conta que a órtese escorregava devido ao suor sobre o  interior do aparelho e beliscava os pelos da perna, o que dificultava muito o trabalho do paciente, com isso, eles reformaram a órtese trocando o material do seu interior.

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *